sábado, 3 de dezembro de 2011

Um sonho de liberdade


video



Esta semana resolvi falar através de música e imagens. Espero que a mensagem destes dois vídeos que montei há algum tempo para aulas de Literatura possa tocar a sensibilidade de vocês.


Isa Oliveira


video

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Inocência no envelhecer

Prezados amigos,
hoje na minha postagem permitir-me-ei pegar os ganchos de dois temas que me encantaram ultimamente. O envelhecer prazeroso de meu amigo Gilson e a inocente e etérea, quiçá eterna Inocência. Transcrevo o texto Envelhecer, de Marcos Elias Thomaz, que sabiamente descreve:

Envelheço quando me fecho para as novas idéias e me torno radical.
Envelheço quando o novo me assusta e minha mente insiste em não aceitar.
Envelheço quando me torno impaciente,
intransigente
e não consigo dialogar.
Envelheço quando meu pensamento abandona sua casa e retorna sem nada a acrescentar.
Envelheço quando muito me preocupo
e depois me culpo
por não ter tido tantos motivos para me preocupar.
Envelheço quando penso demasiadamente em mim mesmo
e consequentemente
dos outros completamente me esqueço.
Envelheço quando penso em ousar e já antevejo o preço que terei que pagar pelo ato,
mesmo que os fatos insistam em me contrariar.
Envelheço quando tenho a chance de amar e daí o coração se põe a indagar:
"será que vale a pena correr o risco de me dar? Será que vai compensar?"
Envelheço quando permito que o cansaço e o desalento tomem conta de minha alma
e me ponho a lamentar.
Envelheço enfim,
quando paro de lutar.

E depois de ler tudo isso, caros enganchados, me respondam:
Quantos velhos de vinte e poucos anos vocês conhecem?

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

I N O C Ê N C I A...




Caro e amigo leitor!
Hoje me disponho a entrelaçar palavras-sentimentos acerca da inocência. Mas, jamais, a partir do que vivi, apenas na sua dimensão conceitual. Não. Algumas experiencias somente servem para que abandonemos teorias e nos agarremos às práticas que, de tao verdadeiras e intensas, nos deslumbram!
No romance regionalista do brasileiro Alfredo d'Escragnolle Taunay (Nome pouco conhecido, diria!) Inocência (Romance muito famoso, digo!) é uma moça sertaneja simples, carinhosa, meiga e bela. Está prometida a se casar com um homem escolhido pelo pai (Manecão), embora seja apaixonada por Cirino.
Bem, das relações de paixão e de suas aspirações mais sensuais e libidinosas, eu nao saberia aqui descrever “nadica de nada”. Da simplicidade, do carinho, da meiguice e da beleza, acho que vou me arriscar neste entrelaçamento de sentimentos-palavras, ainda que eu não venha a dizer tudo o que a representa.
No Sarau Afropoetico do dia 26 de novembro tive o prazer de conhecer uma mulher! Como venho escrevendo, neste Blog, sobre a velhice, esta mulher, grande homenageada da noite, entrou na minha vida como um alimento que, de tão saudável, renova a alma e o sentimento de sentir-se velho. Conceitos podem ser modificados a partir do que vivenciamos. E quem há de nos impedir. Por isso, esta mulher, na sua velhice, nos apresenta uma face sublime de sua fase, no alto de seus 87 anos.
Inocência, seu nome, chegou discreta no terreiro afropoético. No ritual de abertura dos caminhos ela se manifestou como uma entidade afetuosa, mãe das mães, diante da qual seus netos e filhos se debruçaram para ouvi-la contar pequenas histórias.
Quando Inocência expressou seu desejo de viver, e viver muito ainda, eu vibrei! Para quem, como eu, nem almeja morrer, tal afirmação de uma mulher de 87 anos soa como preciosidade vital! Lembro de uma vózinha que aos 96 anos, numa cidade de Pernambuco, recitou pra mim o poema de seu primeiro namorado adolescente. Ao ouvi-la, em estado de graça lhe disse: Mas a senhora nao esqueceu! E ela me respondeu assim: Quando eu envelhecer eu esqueço! Ainda não estava velha. A vida, assim, lhe seria eterna! Viveria ainda mais para conservar em sua alma, a memória de um amor inesquecivel!
A minha querida Marli, no final do Sarau, se aproximou e disse-me: Eu acho que a pessoa que convive com a literatura e arte fica assim... como Inocência. Pois é Marli. A velhice bem vivida. É vida em sua plenitude.
Termino minha mensagem de hoje, com um texto extraido do anonimato.. e que diz: “Quanto mais você se torna simples e inocente, mais você se abre ao aprendizado, mas infelizmente inocência hoje tem sido confundida com algum tipo de ignorância, mas existe uma diferença fundamental nisso. O ignorante é um insatisfeito por não estar côncio, o inocente tambem não está côncio, mas ele tambem nunca desejou estar, sua vida está completa como está, então ele vive contente.”
Querida Inocência tão madura! Obrigado por sua presença na vida!

Cheiro de inocência
Gilson Reis
30.11.2011

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Revel

Pegando o gancho... Vou com uma do Akins Kintê

Revel amarga o fel, da dor que é tamanha
Força de vontade pra invadir as entranhas.
Se o passado foi cruel, estamos firmes no presente
Não provamos do mel, só o estalá da corrente
Futuro decadente dos moleques da quebrada
A liberdade não é dada, por nós tem que ser conquistada
Valeu Zweli, pelo sorriso me encantou mais uma vez
Fez não sofrê pelo Nagaia e a geração que está no xadrez
Tirando um monte de ponta, perco até a conta
Por que tio, apronta? Minha mente vaga tonta
Sei do mal, vítima histórica de uma enganação
sorrimos e agradecemos à porra da abolição
O que deu no decorrer foi isso, entregue ao vício
À cata de pouca grana comendo merda, lixo
Porra! Num há instituição que nos socorra
Quando sangramos nos barracos querem mais que a gente morra
Então segue sempre firme , ergue a cabeça, fio sorria,
se possível enriqueça seu olhar vazio
Chute seu país hostil, que mata preto pelas costas
Num aceite a proposta que pra nós é imposta
De que preto e feio com crime é sinônimo
Ame a si mesmo, é poder e é o mínimo
Nós tamo pro que dé, estamos vivos pra morrê
Abrir caminho às crianças, Pedrinho e Ayodelê
Vão ser príncipes e guerreiros das barracas pobres
Akins Kinte Kamikazy, de coração puro e nobre
Distante dessa culturinha esnobe européia
De amor com uma pretinha e o samba da Divinéia
Quanto mais leio mais bravo, consciente meu ódio eu cravo
Hein escola?! Persiste no estereótipo de preto escravo
Vaguei os livros me sujei com a merda toda
Descobri um quilombo, seus heróis que se foda
Nas latrinas podres desse país, inglório
Me arrancaram a pátria, meu coração o território
Quente como as aldeias africanas: assim tio, atiça
Paz e liberdade, sobretudo justiça
E as palavras tem força e desmorona
essa masmorra que nos detona
Rebelde de qualidade, a verdade vem à tona.

Como sugestão, releiam BRADO de Chiquinho Silva neste Blog.


terça-feira, 29 de novembro de 2011

DATAS COMEMORATIVAS

Chegamos ao fim de novembro, mês dedicado à Consciência Negra, ocasião oportuna para um momento de reflexão, conforme disse em postagem anterior. As datas são quase sempre um momento de parada pra se reviver, repensar, celebrar, etc., daí se dá o advento, datas de aniversários, fazer memória de um herói, dia disso, dia daquilo...! É claro que tem também o interesse comercial. E, algumas datas esse apelo parece soar mais forte do que o próprio sentido da comemoração.

Fecho o mês de novembro com uma história sobre Ser Negro que ouvi de uma amiga de trabalho. Dizia ela que outra amiga, por ocasião de seu ingresso no curso de pós-graduação em uma universidade renomada de São Paulo, fez a seguinte reflexão: quando era criança e morava na periferia da cidade e foi para escola nas primeiras séries recordava que havia muitas crianças negras na sala. Depois foi promovida para o ginásio (ainda usava-se esta expressão), notou que havia menos alunas negras na sala. Passados alguns anos foi promovida para o segundo grau, notou que havia ainda menos alunas negras na sala. Mais tarde foi para a universidade, notou que eram apenas duas alunas negras na sala. Foi para o mestrado, e então, notou que era a única negra. Concluiu dizendo que suas amigas foram sumindo ao longo do caminho acadêmico e que tinha medo de desaparecer também.

Estou contanto essa história porque ela me fez lembrar de uma situação vivenciada por mim na Santa Casa de Misecórdia de São Paulo. Meu pai esteve lá internado por dois dias... Um tormento! Minha mãe fez companhia ao meu pai durante toda manhã e quando cheguei ao local ela disse:

- a médica deu alta para seu pai...

- qual médica mãe? Perguntei.

- uma dessa que está passando aí pra lá e pra cá

- será aquela? Apontei.

- parece que é... elas são todas iguais, tão branquinhas, tão bonitas...

Imediatamente lembrei da autora Delcele Mascarenhas Queiroz, professora da Universidade Federal da Bahia, quando disse que em alguns Cursos Superiores no Brasil, de visibilidade social, como medicina por exemplo, é praticamente inexistente a presença de negros.

Bom, o fato é que durante os dois dias que estive na Santa Casa não vi nenhuma médica negra. Acho que era disso que a amiga de minha amiga, que mencionei no início do texto, estava falando quando disse que suas amigas de infância foram sumindo ao longo do caminho acadêmico e que ela tinha medo de desaparecer também.

segunda-feira, 28 de novembro de 2011

ADVENTO: TEMPO DE ESPERA E ESPERANÇA



Prezados,
Dando continuidade às nossas reflexões a respeito do compromisso assumido para este momento. Vamos pensar, portanto, sobre o ADVENTO, momento litúrgico definido como um mergulho profundo na mística cristã para um tempo de espera e esperança.
Para nós cristãos, a espiritualidade do advento nos leva a alegria da vigília Daquele que está por vir. Vivemos nesse tempo, valores cristãos importantes para a nossa própria construção espiritual: a conversão, esperança e a pobreza, portanto, brota nos corações sentimentos de solidariedade e partilha importantes para a edificação de um mundo novo porque o Salvador virá, a razão de preparamos para o Natal. É propicio nesse tempo litúrgico viver a profundidade da salvação do Filho do Homem - Jesus Cristo.
Ontem celebramos o primeiro domingo do advento. O evangelho escolhido para esse domingo foi do evangelista Marcos capítulo 13, versículos de 33 a 37 seria importante antes lê-la. Vejamos o que podemos analisar dessa perícope:
Marcos escreve aproximadamente 70 anos após a morte de Cristo, num contexto da destruição do templo em Roma. Não sabemos se Marcos conheceu a Jesus. Segundo os historiadores, a autoria desse evangelho é duvidosa, pois no ano 115 d C, um texto publicado afirmava que Marcos poderia ter sido interprete de Pedro, uma vez que a forma utilizada para se passar a história era a tradição oral, mas, no entanto ainda a controvérsias sobre esse assunto. O importante é compreender que Marcos apresenta o Evangelho como “o tempo está cumprido e o reino de Deus está próximo” e assim Marcos procura mostrar a pessoa de Jesus e sua mensagem.
Na perícope eleita, Marcos faz uma exortação a todos os cristãos num contexto de destruição. É para os seguidores de Cristo que Marcos se dirige e faz uma exortação pedindo a todos que “vigai” e usa uma parábola para convencer a todos de que é necessário vigiar para não ser surpreendido. Porque Marcos faria esse pedido aos cristãos? Jesus não diz como ou quando acontecerá o fim, por isso Marcos ao orientar que todos vigiem, fala da continuidade serena e incessante do verdadeiro discípulo na proposta de Cristo e aqui falamos portanto, do amor, da caridade e sobretudo da partilha. A tradução literal do verbo vigiar em grego – gregoréo – significa cuidar, vigiar, sentinela, ou seja, aquele que fica acordado e Marcos nos coloca a frente desse desafio, ficar vigilante para que possamos dar continuidade a mensagem de Jesus.


Hoje não há perseguição como no tempo de Marcos, no entanto se olharmos às questões sociais, com poucos detendo a maior parte da riqueza e muitos sem nada, o projeto de Jesus fica comprometido, portanto Jesus indica como seus discípulos devem se comportar na história. O discípulo deve se colocar no processo histórico acreditando que um mundo novo e de igualdade possa se instalar, não se deixando abalar achando que o Seu projeto é algo distante e inviável. Assim, vigiemos para que possamos cantar um canto de um mundo novo na vinda do Salvador.
Reinildo de Souza.

HERESIA

























Um poderia.

A algum caberia.

A todos, no entanto, não!

Depreciaria.


Um amor,

Um rancor,

Uma dor,

Uma predileção.

Então, quem diria?


Um corriqueiro fato,

Uma simples constatação suportaria.

Mas um não, sequer resistiria.

Afronta demais à razão...

Eis a questão!


Para alguns, simples nostalgia.

Para outros, ilusão

Espalhafato...

Para tantos, solidão.


Uns sim.

Uns cinza.

Uns azuis.

Uns sem cor.

Uns amor.

Para outros,

Outra quimera.


Pra esta era,

A razão,

O segundo,

Giros de um mundo, descontente.

Que segue renitente,

Quase em suspensão...

Ausente.



Uns cabeça,

Uns cabresto,

Outros pretexto,

Tantos, heresia.

Somente alguns...

Poesia...


27/11/2011 – 01:34
Chiquinho Silva

Minhas sinceras desculpas pelo atraso na postagem... Problemas técnicos!